Revista de Direito e Política

Editora:
Letras Jurídicas Editora
Data de publicação:
2020-12-05
ISBN:
1679-2092

Descrição:

As indagações mais instigantes da área jurídica sempre estiveram relacionadas a temas de natureza eminentemente política. Até hoje, as análises que tomaram o Direito como ciência pura, desvinculada das questões socioeconômicas que o permeiam e condicionam, só foram úteis para justificar sistemas políticos iníquos - justamente aqueles que menosprezam valores e princípios como o da dignidade humana, o do devido processo legal e o da legitimidade. O debate jurídico que desconhece a Política é, a um só tempo, ingênuo e empobrecedor. Por outro lado, o debate político que desconhece o Direito é autoritário e iníquo. A Revista de Direito e Política procura equilibrar o debate jurídico e o político através da divulgação de artigos jurídicos, ensaios, crônicas e manifestações literárias. Trata-se de um veículo editorial eclético e multidisciplinar a serviço da democracia participativa, da justiça ambiental, da igualdade de gênero e da cidadania plena.

Documentos mais recentes

  • Tratamento Jurídico-Econômico da Informação a partir da Teoria dos Bens

    Discute-se a natureza econômica e jurídica da informação na teoria dos bens, bem como o seu papel enquanto instrumento do poder. Verificam-se, ainda, em relação a este setor da realidade econômica, os limites e possibilidades dos princípios normalmente empregados para o estudo do mercado de diferentes produtos e serviços. Palavras-chave: Informação; Direito Econômico; Economia

  • Verdade, Memória, Perdão e justiça: horizontes de uma transição inacabada. Um Estudo a partir dos casos da África do Sul e do Brasil

    Ao longo do século XX, vários Estados conviveram com regimes ditatoriais, caracterizados por profundas violações de direitos humanos. Este ensaio investiga justamente a forma como as sociedades encontraram para ultrapassar o período de anormalidade democrática, dentro daquilo que se convencionou chamar de “justiça de transição”. A partir dos exemplos paradigmáticos da África do Sul e do Brasil, e da articulação de temas como verdade, memória, perdão e justiça, examina-se a possibilidade de uma efetiva reconciliação nacional e da superação dos traumas coletivos do passado. A conclusão é que essa reconciliação não é possível se feita com base em um esquecimento forçado, que impossibilite a vivência do luto e a superação da perda. Palavras-Chave: Justiça de Transição – Direitos Humanos – Anistia – Perdão – Reconciliação Nacional

  • Da necessidade de uma nova regra para o foro privilegiado: a adoção do princípio da perpetuatio jurisdictionis no processo penal brasileiro

    A tese defende a plena adoção do princípio da perpetuatio jurisdictionis no processo penal brasileiro, especialmente com o fim de evitar mudanças fraudulentas na competência determinada pelo foro privilegiado, e em respeito ao princípio constitucional do juiz natural. São analisados os casos de Ceci Cunha, deputada federal eleita, em que o mandante do crime agiu motivado pelo objetivo de obter a vaga da vítima na Câmara dos Deputados e manter seu foro privilegiado, e de Ronaldo Cunha Lima, ex-governador da Paraíba, réu por tentativa de homicídio em ação que tramitava no STF, cuja renúncia ao mandato de senador motivou o deslocamento da ação à primeira instância. São sugeridas ainda as alterações legislativas e jurisprudenciais necessárias para a adoção do princípio em nosso ordenamento jurídico. Palavras-chave: Processo penal – Competência – Perpetuatio jurisdictionis

  • A aplicação das correntes de entendimento sobre a prescrição das pretensões indenizatórias decorrentes de acidente de trabalho ao empregado público

    O prazo prescricional das ações indenizatórias decorrentes de acidente do trabalho é assunto muito controvertido na doutrina e jurisprudência. No presente estudo analisou-se a possibilidade de aplicação das quatro principais correntes de entendimento ao empregado público, uma vez que sujeito à disciplina jurídica aplicada aos contratos trabalhistas em geral, com mitigações causadas pela natureza governamental de seu contratante. Os argumentos utilizados para defender a aplicação do artigo 7º, inciso XXVIII, da Constituição Federal e a imprescritibilidade da pretensão podem ser aplicados ao servidor público contratado sob a égide da CLT, assim como o parágrafo 3º, inciso V, do artigo 206 do Código Civil. De outra parte, inaplicável o artigo 205 do Código Civil em face do disposto no artigo 1º do Decreto 20.910 de 1932. Palavras-chave: Empregado público; acidente do trabalho; prescrição

  • Advogado Público e Princípios da Administração Pública: Limites à Responsabilização por Improbidade Administrativa

    A presente tese analisa a possibilidade de punição do advogado público por improbidade administrativa, bem como os limites de tal punição, na hipótese da prática de atos que atentem contra os princípios da Administração Pública. O estudo inicia-se com a apresentação das três modalidades de condutas puníveis sob a égide da lei de improbidade administrativa, com destaque para a modalidade descrita no art. 11 da citada lei. O trabalho pauta-se pelo estudo sistêmico do ordenamento jurídico e suas regras de interpretação, levando-se em consideração os princípios norteadores da lei de improbidade administrativa. Para a adequada abordagem do tema, doutrina e jurisprudência também são utilizadas como balizas para a fundamentação das conclusões do autor. Deste modo, e, considerando o objetivo da lei (a qual procurou punir o agente público desonesto), observa-se que não é possível a punição do advogado público, nas hipóteses do art. 11, caso não se constate a ocorrência de dolo em sua conduta. A impossibilidade de aplicação de tais penas, contudo, não impede que o advogado público seja responsabilizado na área civil, caso fique constatada a ocorrência de culpa em sua conduta, nos moldes do art. 37, §6º da CF. Palavras-Chave: Advocacia pública; improbidade administrativa; responsabilidade civil

  • O controle das expectativas dos jurisdicionados: impedindo o venire contra factum proprium do Poder Judiciário

    O presente trabalho analisa a aplicação da proibição do venire contra factum proprium perante o Poder Judiciário, especificamente no âmbito das Cortes Superiores. O órgão julgador, enquanto sujeito da relação processual, também deve respeito ao Princípio do nemo potest venire contra factum proprium, uma vez que seus atos também geram expectativas não apenas nas partes do processo, mas para a sociedade como um todo. As decisões das cortes superiores extrapolam o mero interesse das partes do processo, na medida em que representam pautas gerais para a sociedade. Aquele que foi guiado por uma dessas pautas não pode ser surpreendido com sua abrupta revogação. O que se defende é a modulação temporal dos efeitos da decisão, sempre que essa implicar uma alteração de jurisprudência de Corte Superior, representando a prospectividade não um ato discricionário do órgão julgador, mas um direito dos jurisdicionados. Palavras-chave: Venire contra factum proprium. Câmbios de jurisprudência. Segurança Jurídica

  • A Deslegalização no Poder Normativo das Agências Reguladoras

    O artigo apresenta um estudo sobre a legitimação do poder normativo das agências reguladoras pelo instituto da deslegalização. Para isso é realizada uma análise do tema da Reforma do Estado e da Constituição Federal de 1988, assim como das características das agências reguladoras, especificamente o seu poder normativo, e o momento no qual elas foram inseridas no ordenamento jurídico brasileiro. Constata-se que apesar de a Constituição Federal não ter previsto expressamente a forma de atuação do poder normativo desses entes regulatórios, não há inconstitucionalidade quanto a essa atuação, tanto no concernente ao princípio da legalidade quanto à delegação de poderes legislativos. Nesse contexto, verifica-se uma evolução do modelo estatal, no interesse da coletividade, que deve ser acompanhada pelo Direito; porém sem ferir princípios e diretrizes constitucionais. Palavras-Chaves: Deslegalização. Estado regulador. Agências reguladoras. Poder normativo. Princípio da legalidade. Delegação de poderes

  • Concessões de Polos Rodoviários no Rio Grande do Sul. Observações sobre a Implantação e Execução Contratual. Aspectos Controvertidos

    Reflexão sobre as concessões de rodovias no Rio Grande do Sul. Dificuldades encontradas pelo poder concedente para manter os objetivos da concessão, contidos no art. 175 da Constituição Federal, e que são de primordial importância para a sociedade, que tem direito à modicidade tarifária e à prestação adequada do serviço, com rodovias que permitam o tráfego com segurança. Palavras-chave: Concessões de rodovias. Polos de rodovias federais e estaduais. Necessidade de preservação da modicidade tarifária, do serviço adequado com a devida retribuição às concessionárias, sem excessos na lucratividade. A visão da advocacia pública

  • Usucapião Administrativo: Instrumento de Regularização Fundiária

    Desde a Lei de Terras, nº 601, de 18 de setembro de 1850, a aquisição legítima de imóveis se faz mediante compra, caracterizando a ilegalidade de outras formas de ocupação que sempre causam conflitos. A regularização fundiária se propõe a garantir a segurança da posse e proporcionar infraestrura às moradias construídas à margem da lei, sendo a usucapião um de seus instrumentos. A Lei 11977/09 conceituou a regularização fundiária e trouxe ao ordenamento jurídico a usucapião administrativa. Este ensaio se propõe a perquirir a definição de regularização fundiária relacionando-a com a usucapião especial urbana e administrativa. Palavras-chave: Usucapião administrativo. Usucapião. Regularização Fundiária. Direito à moradia

  • O Lecionar do Direito e a Peça 'As Nuvens' de Aristófanes

    O presente texto é uma reflexão sobre a lição de moral da peça "As Nuvens", do poeta grego Aristófanes e o ensino do Direito. Palavras-Chave: Aristófanes. Ensino do Direito. Ineficiência Judicial

Documentos em destaque

VLEX uses login cookies to provide you with a better browsing experience. If you click on 'Accept' or continue browsing this site we consider that you accept our cookie policy. ACCEPT