Dicas do acordo ortográfico

AutorChristiano Abelardo Fagundes Freitas
Ocupação do AutorAdvogado
Páginas137-142

Page 137

Necessário, inicialmente, ressaltar que se trata de Acordo meramente ortográfico, portanto restrito à língua escrita, não mexendo com a “pronúncia” das palavras. Assim sendo, mesmo com a eliminação do trema, as palavras sequestro, linguiça e cinquenta, por exemplo, continuam com a mesma pronúncia.

O objetivo do referido Acordo é a unificação ortográfica dos países que têm a Língua Portuguesa como idioma oficial: Brasil, Portugal, Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau etc.

O alfabeto volta a contar com 26 letras, pois foram reintroduzidas as letras K, W e Y. O alfabeto completo passa a ser: A, B, C, D, E, F, G, H, I, J, K, L, M, N, O, P, Q, R, S, T, U, V, W, X, Y, Z. As letras K, W e Y foram excluídas oficialmente na reforma de 1943, mas, na verdade, nunca desapareceram.

Passaremos a registrar algumas das novas regras, no que tange à acentuação gráfica e ao emprego do hífen.

13.1. Acentuação gráfica

O trema (¨) agora fica com o uso restrito às palavras estrangeiras e suas derivadas, como Müller, mülleriano, Hübner, hübneriano.

Abaixo, apresentaremos um paralelo, mostrando como as palavras eram grafadas e como ficam agora com o Acordo Ortográfico.

GRAFIA ANTIGA:

agüentar — bilíngüe — cinqüenta — delinqüente — eloqüente — freqüente — lingüiça — qüinqüênio — seqüestro — tranqüilo.

GRAFIA ATUAL:

aguentar — bilíngue — cinquenta — delinquente — eloquente — frequente — linguiça — quinquênio — sequestro — tranquilo.

Outra novidade está relacionada ao desaparecimento do acento nos vocábulos terminados em “êem” e “ôo(s)”.

Page 138

Era: abençôo, crêem (verbo crer), dêem (verbo dar), dôo (verbo doar), enjôo, perdôo (verbo perdoar), vêem (verbo ver).

Agora, essas palavras devem ser grafadas assim: abençoo, creem (verbo crer), deem (verbo dar), doo (verbo doar), enjoo, perdoo (verbo perdoar), veem (verbo ver).

Acabou a maioria dos acentos diferenciais. Por isso, de acordo com a reforma ortográfica, não se usa mais o acento que diferenciava, por exemplo, os vocábulos:

  1. pára (forma do verbo parar) / para (preposição);

  2. pêra (substantivo) / pera (preposição arcaica);

  3. pêlo (substantivo) / pelo (contração de preposição e artigo);

  4. pólo (substantivo) / polo (contração arcaica de preposição e artigo).

    A partir de agora, vamos grafar pera (sem acento): comprei a pera na quitanda. Vamos também dizer que o pelo (sem acento) do cachorro está limpo.

    O grande sucesso na voz de Cazuza “O tempo não pára” (Cazuza/ Arnaldo Brandão), agora, com o Acordo, fica “O tempo não para”. Eis alguns versos: “Eu vejo o futuro repetir o passado/ Eu vejo um museu de grandes novidades/ O tempo não para/ Não para, não, não para.” Não é apenas o tempo que não para: a Língua está em constante alteração também.

    Atenção! Também perde o acento gráfico a forma para (do verbo parar) quando...

Para continuar a ler

PEÇA SUA AVALIAÇÃO

VLEX uses login cookies to provide you with a better browsing experience. If you click on 'Accept' or continue browsing this site we consider that you accept our cookie policy. ACCEPT